VIDENTE DA REGIÃO FAZ TAM MUDAR VOO DA TRAGÉDIA

A premonição de um acidente no último dia 26 de novembro com um dos aviões da TAM, pelo vidente Jucelino Nóbrega da Luz, de Águas de Lindóia, fez com que a companhia mudasse o prefixo do vôo com destino a Brasília. Consultada, a TAM não se manifestou sobre o motivo da mudança.

A premonição foi enviada por carta registrada em cartório em 15 de agosto à empresa e também ao vice-presidente Michel Temer, alertando sobre a possibilidade do acidente, e a necessidade de conscientizar a empresa para retirar a aeronave nesse dia e fazer manutenção.

Segundo o vidente, que recebeu a reportagem do JG em sua casa, o avião sairia do aeroporto de Congonhas às 8h30 e cairia sobre um edifício comercial na Avenida Paulista, mais especificamente nas imediações do Bic Banco (Paulista com Alameda Campinas), ocasionando uma catástrofe de grandes proporções.

Veiaca, a companhia aérea deixou de usar, na escala válida para 26 de novembro, o número JJ 3720 para o voo.

Na data e horário, o mesmo voo teve o número JJ 4732. No dia anterior e no dia posterior à data, o número volta a ser JJ3720, de acordo com as informações disponíveis na página na internet da empresa na última quarta-feira (19).

Para o vidente, a mudança de voo foi uma feliz escolha e evitou uma tragédia de grandes proporções. “Nunca tive a intenção de causar alarmismo ou medo, mas tão só alertar”, confirmou por telefone. “Eu sempre digo que um fato destes é mecânico, isto é, não é natural, portanto, há possibilidade de alterar. É só naquele dia e se não acontecer não vai ocorrer mais”, disse.

Apesar do mistério e do receio que cercou a premonição, o Serviço Regional de Proteção ao Voo de São Paulo (SRPV), da Aeronáutica, informou que nenhuma aeronave comercial que decola de Congonhas para Brasília tem como rota sobrevoar a Avenida Paulista. Os aviões seguem para o sul, em rota sentido bairro Interlagos.

Contudo, como cachorro mordido por cobra tem medo de linguiça, o síndico do Edifício Barão de Serro Azul, Severino Alves de Lima, de 67 anos, tomou a iniciativa de escrever um comunicado para informar funcionários e locatários das salas comerciais do prédio a
respeito da premonição.

“Quando da queda do avião do Eduardo Campos eu fiquei sabendo que ele tinha previsto várias situações. Eu fui no cartório, peguei uma cópia da carta que ele havia registrado e guardei. Agora achei conveniente divulgar para os condôminos e quem quiser liberar os funcionários fica a cargo da sua responsabilidade”, disse o síndico.

Bira Mariano

Formado em Jornalismo pela Unaerp - Universidade de Ribeirão Preto, com módulos de pós-graduação em Jornalismo On Line pela Fundação Cásper Líbero. Trabalha na área desde 1995 e possui alguns sites, dentre eles o Jornalístico e o Animal e Companhia.

Seja o primeiro a comentar