VEREADOR ZANCO QUER FORÇA TAREFA PARA LIMPAR A CIDADE

O vereador Luís Zanco Neto, o Zanco da Farmácia, líder da bancada do PTC na Câmara Municipal, vai sugerir ao prefeito Walter Caveanha a implementação de medidas urgentes e práticas para tirar o Guaçu do atoleiro de galhos, entulhos, móveis e outros artefatos que são jogados pela população nas calçadas, terrenos e espaços públicos.

Na avaliação da principal liderança comunitária e parlamentar da Vila Paraíso e da Zona Sul, a situação beira ao caos, “porque chegou ao limite da paciência dos guaçuanos, que estão se sentindo sufocados diante de tanta sujeira”, comentou.

Segundo Zanco, o prefeito Walter está preocupado com a situação, e por isso deseja resolver o mais rápido possível para que o município não ganhe o apelido de Cascão da Baixa Mogiana.

Vereador quer evitar que Mogi Guaçu ganhe o apelido de município Cascão da Baixa Mogiana

“Tenho certeza de que o prefeito está se debruçando para resolver a pendência legais e administrativas para colocar no devido lugar o amontoado de coiserada que é jogado todos os dias”, afirmou. “Mas, o momento exige rapidez e objetividade porque, infelizmente, criou-se a cultura de que a prefeitura recolhe tudo. E o que vemos é um exagero por parte de muitos”, ponderou.

Ainda de acordo com Luís Zanco, será preciso que a Câmara Municipal, através dos vereadores, também participe e crie condições legais para que o Executivo possa exigir dos cidadãos uma participação mais efetiva em relação ao caos do momento.

“Em vez de fazer política rasteira em torno de salsichas por parte de alguns, todos nós, vereadores, poderíamos modernizar a legislação e criar instâncias legais para evitar este estado de coisas, e permitir que a prefeitura possa agir contra os maus cidadãos, aqueles que jogam tudo que é não serve mais de suas casas nas ruas. Inclusive deve-se multar”, esclareceu.

“Porém, vale o lembrete de que a administração precisa fazer a parte dela para poder cobrar das pessoas. Por isso que é proponho uma força tarefa que literalmente varra toda a imundice para longe das ruas”, finalizou.

Bira Mariano

Formado em Jornalismo pela Unaerp - Universidade de Ribeirão Preto, com módulos de pós-graduação em Jornalismo On Line pela Fundação Cásper Líbero. Trabalha na área desde 1995 e possui alguns sites, dentre eles o Jornalístico e o Animal e Companhia.

1 Comentário

  • Responder março 24, 2019

    Cleofas da Silva Viana

    Tanta inconsistência na fala do meu amigo Zanco, que chega a assustar, não conseguiram cumprir nem com o mutirão da DENGUE, quiçá do cata trecos ; O prefeito debruçou sobre o que? Criar condições jurídicas para que? Ora meu Deus do céu, elas existem ,e às baciadas, era só cumpri-las, e não ficar tentando textos acortinados para cobrir a ineficiência administrativa operacional, por causa dessas politicas populistas e fora da realidade do que é limpeza pública e sustentabilidade, é que a cidade se transformou no chiqueiro que está, a anos eu venho criticando, a criação dos ECO PONTOS, os quais se transformaram em ECO IMUNDICES e ECO DOENÇAS, os visionários criaram os famigerados ECO PONTOS para eletrônicos, e por falta de conhecimento e logística os vimos transfornados em casas e moradas da DENGUE,ora bolas se as equipes de coletas e seus equipamentos foram desfeitos, que se estudasse estratégias apartadas das práticas anteriores que se criasse algo factível , ainda que em menor proporção, e não cairvda INÉRCIA e espera, Mogi Guaçu não se transformará no “CASCÃO ” regional, Mogi Guaçu já é o CASCÃO ,tem que se parar com hipicrisias, colocar a mão na massa e ir à luta, contra esse estado de calamidade pública em relação à limpeza na cidade, vamos parar com o paternalismo, e deixar de usá-lo como ação politica.

Deixe um comentário