VEREADOR ZANCO CRITICA CAÔ DA EDUCAÇÃO EM ALUNOS E PAIS

Porta-voz de pais, responsáveis e familiares dos alunos da EMEF Antonio Giovani Lanzi, localizada na Vila Paraíso, o vereador Luís Zanco Neto, o Zanco da Farmácia (PTC), não poupou críticas contra a secretária de Educação, Célia Mamede.

Principalmente em relação aos atrasos na reforma do prédio da escola, prometida e ainda não iniciada.

“Parece um verdadeiro caô”, comentou Zanco em relação à promessa da secretaria de Educação de começar as reformas imediatamente. “Os pais não estão nada contentes com esta situação”, reafirmou.

Zanco enumera as críticas em relação à Célia Mamede, em especial o fato de também ter prometido transporte por vans e acabou cedendo vale transporte para uso dos busões da Viação Santa Cruz.

“Embora pareça ser uma solução, na realidade é um transtorno para alunos e pais, que precisam pegar o circular até à FIMI, onde as aulas estão sendo improvisadas. Ninguém está gostando de nada”, declarou.

O vereador, que é conhecido por sua militância em favor dos direitos dos moradores da Zona Sul e da Vila Paraíso, mencionou ainda que outro alvo de críticas é a merenda, que continua sendo feita na escola, mas transportada até onde as aulas estão sendo ministradas.

ZANCO 3 300x199 - VEREADOR ZANCO CRITICA CAÔ DA EDUCAÇÃO EM ALUNOS E PAIS
Vereador Zanco afirma que secretaria Mamede não foi humilde em relação às famílias e alunos: “tá de brincadeira”

“Se tem uma coisa é que malfeita é este negócio de transportar merenda para lá e pra cá. Como fica a questão de higiene. A gente sabe que o perigo de contaminação é grande e a preocupação é com relação à saúde das crianças”, destacou.

Para Zanco, faltou humildade por parte de Célia Mamede ao acreditar que fazendo uma simples reunião com parte dos pais e responsáveis dos alunos “a coisa estaria acertada e que tudo ficaria bem”, relata. “A verdade é que ninguém está gostando do que está passando”, disse.

O vereador confirmou que vai encaminhar ofício para a Educação questionando o atraso na reforma e outras questões que afligem o dia a dia dos estudantes, tais como a merenda, o transporte (a maioria deseja que seja da Van por acreditar ser mais seguro e rápido) e o retorno às aulas na EMEF.

“Do jeito que está só tende a piorar, trazendo desgaste ao prefeito Walter Caveanha”, finalizou. “E a culpa é da secretária Célia Mamede”, realça.

A suspensão das aulas ocorreu na quinta-feira, dia 28, para que a Prefeitura possa reformar o prédio da escola, que apresenta trincas e fissuras nas paredes e recalque do piso no bloco das salas de aula em decorrência de infiltrações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *