SAMAE ZERA EMISSÃO DE ESGOTO NO RIO MOGI GUAÇU

Já está em fase de teste, e deverá ser inaugurada pelo prefeito Walter Caveanha (PTB) neste mês de janeiro, uma das mais importantes obras de saneamento do município: a interligação da tubulação da margem esquerda do Rio Mogi Guaçu, com 2,6 mil metros de extensão.

Na prática, a obra vai concluir os investimentos do Samae para eliminar o despejo de esgoto no rio que dá nome à cidade, e que  faz parte de uma das mais importantes bacias hidrográficas do estado de SP.

“Em realidade, o Mogi Guaçu já não recebe mais nenhum tipo de esgoto, tanto pela sua margem direita, beneficiada pelas obras realizadas na elevatória dos Ingás, e agora com a tubulação da margem esquerda. É uma baita conquista para o saneamento, a qualidade de vida dos munícipes, e um respeito ao nosso rio”, informa o diretor de obras do Samae, Mário Antonio Zaia, presidente municipal do PPS.

Sob a batuta do PPS, a equipe de obras fez acontecer positivamente no quesito saneamento, tanto no tratamento de esgoto quanto do fornecimento de água tratada à população, dentro do Samae.

Segundo Zaia, a tubulação ‘transporta’ o esgoto in natura para uma caixa elevatória, e desta para o tratamento propriamente. O transporte é feito através de super bombas de 40 HP cada, eliminando o despejo de esgoto que antes ia para o rio.

“Os investimentos visam suprir esta carência de décadas e foi uma determinação do prefeito Walter para que seja uma das suas marcas: a eficiência ambiental. Esta também é a marca do PPS guaçuano”, cita o diretor de obras do Samae.

Mário Zaia mencionou outras obras que beneficiam milhares de pessoas em toda a cidade. Ele destaca a substituição da tubulação nas proximidades do WallMart, que há décadas gerava dores de cabeça às famílias pela falta de água devido ao rompimento da rede.

“Também viabilizamos o reinício do tratamento de esgoto dos Ipês, e ainda concluímos a tubulação de água bruta de meio milímetro que liga a hidrelétrica à estação de captação, evitando com isto a crise no abastecimento por causa de estiagem”, afirma.

Foram colocados em prática investimentos para a eficiência energética com a substituição de bombas da captação na ETA (Estação de Tratamento de Água), que agora geram um rendimento maior com menor custo de eletricidade.

“Estamos reformando a ETA para reutilizar a água destinada à lavagem de filtros, e a obra vai permitir a ampliação da capacidade de produção de água tratada, saindo de 2,3 mil cúbicos por hora para 3 mil metros cúbicos por hora. Com isto, serão necessárias apenas 3 bombas, e não 5, evitando assim o desperdício de dinheiro com energia”, adverte.

Além de tudo isso, “quando a adutora de água bruta estiver em plena operação a economia total de energia será de 620 quilowatts hora”, cita.

Outra menção do presidente do PPS diz respeito à implantação de uma válvula que impede o desperdício de 300 metros cúbicos de água boa na Vila Paraíso.

“Este era um problema de décadas naquela região, agora eliminado, aumentando a eficiência no abastecimento, porém, sem quaisquer perdas econômicas”, confirma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *