RACIONAMENTO DE ÁGUA ESTÁ POR UM FIO E GUAÇUANOS PODEM FICAR COM A GOELA SECA

A vazão do rio Mogi Guaçu atingiu o seu ponto mais crítico nos dias 24 e 30 de janeiro deste ano, com apenas 18 metros cúbicos (18 mil litros) por segundo, abaixo da represa da PCH (Pequena Central Hidrelétrica), na Cachoeira de Cima.

Segundo o superintendente do Samae, Elias Fernandes de Carvalho, por enquanto está descartado o racionamento no abastecimento de água, mas devido à situação, a medida estaria por um fio.

Uma campanha de conscientização da população para evitar o desperdício de água já começou e é o primeiro passo antes de ações mais enérgicas. “Estamos usando uma bomba para puxar água do rio e depositar na caixa de captação e ser levada à estação de tratamento”, relatou por meio da assessoria de imprensa do Samae.

Mesmo com a estiagem prolongada, a população aumentou o consumo de dezembro para janeiro, isto é, de 2 milhões e 100 mil litros por hora para 2 milhões e 300 mil litros. Um desatino.

Uma solução apontada por Elias e que está sendo encaminhada é a construção de uma nova adutora e a instalação da captação acima da barragem da PCH, dentro da represa. A obra está sendo executada.

A adutora conduzirá a água bruta por gravidade até a captação do Limoeiro e é uma solução bastante plausível, assegurou o superintendente do Samae.

O Samae ainda prevê  melhorias para minimizar a falta de água no Jardim Suécia, Esplanada, Alvorada e alto do Itamaraty.

Foto de André Pelegrino, da Secretaria de Comunicação da Prefeitura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *