POVO E PREFEITURA DEVEM SE PERDOAR E AGIREM JUNTOS CONTRA A DENGUE

O lugar comum é sempre culpar alguém ou instituição primeiramente.

Então, ou se culpa a prefeitura e a coloca na berlinda como única responsável pelo atual estado de coisas; ou se culpa o povo.

Sim, o pobre povo, que por falta de cidadania e também por serviços públicos de qualidade, fica à mercê dos próprios desatinos e expõe toda a sua falta de bom senso ao jogar suas porquices nas calçadas, ruas, lotes, terrenos e lugares ermos.

Na guerra contra a dengue não há solução senão unir as mãos e todos jogarem no mesmo time.

Povo e Prefeitura, além de outras instâncias de poder, como a Câmara Municipal, que infelizmente se tornou um lugar onde um quarteto de trapalhões fica a falar mal de salsichas nas escolas e da nossa faculdade municipal, se esquecendo da epidemia que se avizinha.

Voltemos…

Como não há solução senão dar as mãos, prefeitura e povo estão obrigados a buscarem formas de combate à dengue em uníssono. Mas o que vemos é uma dissociação total de interesse coletivos.

Povo acusando a prefeitura de omissão, e a prefeitura tentando fazer o que deveria fazer mesmo.

Não podemos mais, como povo, darmos ao luxo de negligenciarmos nossa parte neste latifúndio e exigir que a prefeitura faça tudo enquanto fazemos praticamente nada.

Ou melhor dizendo, continuar a jogar lixo, entulho e galhos nas calçadas à espera da prefeitura recolher, quando na verdade não recolhe há meses.

Daí o acúmulo se propaga cada vez mais, mais e mais e o resultado é o tiro do próprio pé.

Assim, se se percebe que os serviços de coleta de entulhos, galhos e outras porcarias está a Deus dará, qual a razão de continuar a depositar tais apetrechos diariamente, aumentando focos do mosquito.

Neste caso, este JG defende como solução multar os cidadãos porcos após notificação, pois o Guaçu virou um lixão a céu aberto. Os  moradores dos municípios vizinhos nos tiram o sarro e a nossa cidade já está conhecida como a boca do lixo. Uma vergonha.

Por outro lado, prefeitura parece se valer das dificuldades burocráticas e demora a agir em busca soluções práticas contra este estado de coisa. É poder constituído e como tal tem a força da caneta nas mãos. Mas a demora é a jóia da coroa.

Multar, multar e multar. Muitos assim defendem porque acreditam que mexer no bolso é o remédio que vai despertar a ausência de cidadania dos guaçuanos.

Mas as multas devem ser aplicadas após a prefeitura dar o exemplo de serviços eficientes. O QUE NÃO ACONTECE DE FATO.


Por isso e por hora, prefeitura e povo devem se perdoar para agirem juntos.

Todos contra a dengue!


Bira Mariano

Formado em Jornalismo pela Unaerp - Universidade de Ribeirão Preto, com módulos de pós-graduação em Jornalismo On Line pela Fundação Cásper Líbero. Trabalha na área desde 1995 e possui alguns sites, dentre eles o Jornalístico e o Animal e Companhia.

1 Comentário

  • Responder março 15, 2019

    Mário Augusto Nogueira

    Mas e como fazer com as pessoas que tem o quintal cheio de carros velhos abertos tanto na rua quanto dentro do quintal ,nos fazemos nossa parte e a deles quem vai cobrar ,rua João Cardoso de Oliveira jardim novo dois em frente ao número 131 uma casa com vários carros velhos tanto na rua quanto no quintal ,fora a casa do lado de dentro que está cheio de sucatas ,mais atenção neste local.obrigado.to sarando agora de uma dengue .

Deixe um comentário