POMPOARISMO DEIXA A DANADA COMO O HULK

A prática já teve seus dias de ibope, mas ainda faz muito sucesso. O pompoarismo continua em pé, fincando bandeiras e conquistando mentes, corpos, corações e vulvas. Pode ser praticado até por homens, mas são elas as adeptas clássicas das técnicas que deixam ‘a danada’ com a força do Incrível Hulk – e os fazem gemer sem sentir dor.

O pompoarismo não é apenas um truque sexual pra lá de bacana. Na verdade, é uma antiga técnica oriental, derivada do tantra, que consiste na contração e no relaxamento dos músculos circunvaginais, buscando como resultado o prazer sexual. É o que diz o wikipedia.

Contudo, não é só isso. Também serve para realização de partos naturais bem sucedidos e pode ser benéfico contra a incontinência urinária. Os ginecos a recomendam sem contra-indicação. Muitos dos exercícios previnem a flacidez pós-parto.

Porém, na prática, no rala e rola, o pompoarismo é praquilo mesmo: sexo…sexo e mais sexo!
Sim, os pompoares são bolinhas enfileiradas uma atrás da outra e interligadas por um fio de nylon. O termo corretamente usado diz respeito a um estágio avançado do uso deste material, quando apenas duas bolinhas maiores são seguradas dentro da vagina – e lá, na caverna do amor, podem ser giradas em 360 graus. Este estágio é do puro êxtase, o orgasmo, e faz o parceiro pedir bis e se lambuzar no mel do pecado bão demais!

Ó céus, abundantemente utilizadas para proporcionar mais prazer nas relações sexuais a dois ou a sós, as bolinhas tailandesas, como são conhecidas popularmente, fazem e acontecem entre quatro paredes. Um delírio!

Para certas adeptas da estrita tradição, isto não é tão importante assim. São verdadeiras atletas dos ‘países baixos’, capazes de realizar doideiras com a musculatura vaginal a la Rambo.

Algumas mulheres expelem-nas à distâncias consideráveis. Há filmes que flagram uma astúcia vaginal que nem o mais crédulo mortal poderia imaginar. As bichinhas fervilham lá onde não bate sol. Parecem que têm vida própria.

Vale dizer que há técnicas que sugam e mamam o pênis. Outras que o travam, ordenham e o envolvem apenas pela glande. Enfim, loucura.

A comerciante Edilene Renata Rosário Santos, dona da Girassol Moda Íntima e Sex Shop, há 10 anos no mercado, confirma que as bolinhas tailandesas estão entre os itens do prazer erótico mais vendidos na loja. A empresária é praticante há tempos das técnicas mencionadas acima. Por isso, elucida que o pompoarismo possui gradações ou fases, pois se trata de ‘musculação’ no final das contas.

“Há estágios que vão familiarizando a mulher com bolinhas menores e maiores, além do uso de um personal [uma espécie de consolo] e pesos com 20 a 70 gramas. Finalmente, surgem os pompoares”, explica.

O início de tudo é com o personal, quando a mulher tenta segurá-lo dentro de si. Depois migra para bolinhas tailandesas (menores) e logo após os pompoares (as duas bolinhas maiores). “As sessões podem ser intercaladas com a utilização dos pesos de diversas gramaturas”, diz Edilene

Ainda conforme a empresária, é claro que o treinamento de 15 sessões diárias fazem a diferença entre quem só deseja brincar de amor com as bolinhas tailandesas daquelas que desejam ver a musculatura vaginal mais saudável, forte e, porque não, totalmente demais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *