OPINIÃO: EMPRÉSTIMO DA PREFEITURA ABRE CICLO VIRTUOSO EM INFRAESTRUTURA E CIDADANIA

As cidades evoluem necessariamente. Pensar o futuro delas requer inferências racionais que vão muito além da imaginação. São necessários conhecimentos das demandas que estão por vir; inclusão da população; diagnóstico da situação e, principalmente, de prognóstico do que virá pela frente. Não é nada fácil.

Uma das áreas mais sensíveis de uma administração municipal, por exemplo, é a infraestrutura.

Investimentos neste setor obrigatoriamente precisam abranger não apenas as demandas de momento, mas também as décadas seguintes, favorecendo a economia de investimentos e abarcando os rumos que o espaço urbano requer.

Desta forma, é preciso reconhecer a ousadia e a capacidade de pensar o futuro do prefeito Walter Caveanha ao tomar empréstimo, em nome do município, para investimentos em infraestrutura.

Não se trata de aplaudir o suposto endividamento da Prefeitura, mesmo porque no atual estágio da Lei de Responsabilidade Fiscal, juntamente com o olho vivo de órgãos fiscalizadores, dentre eles a Promotoria Pública e o Tribunal de Contas e a também a Câmara Municipal, impede que o governo local possa fazer loucuras  administrativas que incapacitem as gestões seguintes.

NOVA ABÍLIO CAVEANHA: investimento em infra também possibilita inclusão cidadã

O governo tomou empréstimo de R$ 23 milhões porque assim pôde fazer. Neste sentido, demonstrou sua capacidade de absorção deste montante e, melhor dizendo, sua capacidade de cumprir o ônus do débito.

Esta capacidade financeira está compromissada no orçamento e é fonte de aplausos justamente porque permite que a cidade evolua com o objetivo de se tornar mais humana e inclusiva, mesmo que as obras contemplem ferragens e cimento.

Não apenas a capacidade de adquirir empréstimo que está em jogo. É a notória capacidade de possibilitar novos empregos, gerando renda e salários, bem como ampliar o debate da ocupação do espaço público no sentido de cidadania e participação social.

Toda esta celeuma conduz forçosamente a um estágio de emancipação dos cidadãos, que fiscalizam as obras do governo municipal. E este, por sua vez, finca ações na transparência e contribui para o avanço da cidade. É o que pode chamar de ciclo virtuoso.

E é o que se espera desta ousadia do Governo Walter Caveanha.

Bira Mariano

Formado em Jornalismo pela Unaerp - Universidade de Ribeirão Preto, com módulos de pós-graduação em Jornalismo On Line pela Fundação Cásper Líbero. Trabalha na área desde 1995 e possui alguns sites, dentre eles o Jornalístico e o Animal e Companhia.

Seja o primeiro a comentar