ITAPIRENSE GARANTE TER A CINTURA MAIS FINA DO BRASIL

A analista de laboratório Valdirene Brito de Morais (à esquerda na foto) impressiona as pessoas por causa de algumas peculiaridades, como, por exemplo, a de já ser avó, (de Ane Vitória, de 02 anos) apesar de ostentar um corpo e uma aparência de alguém que acabou de sair da fase da adolescência, competindo em beleza com a filha. Mas não é só por isso que atrai olhares, às vezes até indiscretos.

Ela cultiva há quase sete anos uma cinturinha tão fina que lhe rendeu o apelido de “Barbie itapirense” – numa alusão à famosa boneca americana. A medida exata da cintura é de 53 cm. Ela garante que tem pesquisado na internet até com certa insistência para descobrir se no Brasil existe alguém com dimensões menores e garante que ainda não encontrou.

Ela diz que o caso mais famoso no exterior é da ucraniana Valeria Lukyanova, de 25 anos, que teria 50 cm de cintura e levanta polêmica pelo mundo todo a respeito dos métodos que teria se utilizado para se parecer com a famosa boneca. Ao contrário da ucraniana, Valdirene garante que jamais desejou ser “barbie” e admite que este tipo de comparação lhe causa certo incômodo.

Isso porque, segundo ela, apesar de todos os desmentidos, muitas pessoas insistem em dizer que ela só tem a cintura com tais dimensões porque teria sido submetida a uma cirurgia para retirada de um par de ossos da costela. “Isso é fantasioso. Nunca fiz cirurgia para retirada de osso algum. Causa até uma certa irritação quando as pessoas insistem em afirmar isso”, admitiu.

A forma atual, conforme revelou, foi fruto de uma cirurgia conhecida como abdominoplastia (que consiste na retirada do excesso de pele) e muita malhação. A cirurgia foi resultado de uma decisão pessoal. Depois que teve a filha Vivian, de 19 anos, Valdirene disse ter engordado. “De 41 quilos, passei a ter 67. A situação me incomodou e depois de um certo tempo iniciei um rigoroso processo de perda de peso, com uma dieta baseada em orientação médica e muita ginástica. Voltei a pesar 41 quilos. Mas fiquei incomodada com o excesso de pele resultante. Daí optei pela cirurgia. Foi assim que tudo começou”, relatou.

Casada com o funcionário público federal Daniel Morais, Valdirene afirma ainda que nunca teve qualquer tipo de recriminação por parte do esposo. Além disso, segundo ela, teve que aprender a conviver com situações indesejadas. Ela disse que já recebeu cantadas e foi assediada em redes sociais. “Claro que incomoda, mas tenho personalidade suficiente para ignorar este tipo de assédio”, encerrou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *