ITAPIRA CONFIRMA MAIS 8 MORTES POR DENGUE

A secretária de Saúde de Itapira, Rosa Iamarino, confirmou na manhã desta terça-feira a morte de mais 8 pessoas por dengue, todas moradoras da cidade.

O município agora soma 9 óbitos por complicações da doença. É um dos maiores índices em todo o estado em relação à sua população (72 mil habitantes).

Os laudos foram confirmados pelo Instituto Adolfo Lutz e remetidos na tarde desta segunda-feira (09) a Itapira. Os resultados foram divulgados por meio de pronunciamento da secretaria à Radio Clube.

Segundo o Lutz, os óbitos aconteceram nos dias 16 de dezembro do ano passado, 27 de janeiro de 2015; além de 01, 02 (duas mortes), 04, 08 e 17 de fevereiro. Vale lembrar que uma mulher também morreu devido à dengue no começo de janeiro deste ano.

Casos confirmados da doença diminuíram 15% no mês de fevereiro em relação a janeiro. De acordo com as estatísticas oficiais, em fevereiro foram 1.489 casos confirmado ante 1.743 no mês de janeiro.

As medidas de combate aos focos e criadouros do mosquito transmissor continuam, como os mutirões, as nebulizações pela Sucen, o trabalho das 16 equipes de costais e o pente fino dentro das casa pelos agentes de saúde. As notificações e multas também estão em prática.

PAGANINI – de Brasília, o prefeito Paganini (PSDB) fez um pronunciamento via telefone à Rádio Clube e ‘lamentou profundamente’ as mortes confirmadas. Compartilhou a dor das famílias pela constatação do falecimento de oito pessoas.

Determinou que fosse divulgado o relatório de óbitos de forma transparente para a comunidade e enfatizou mais uma vez que a dengue mata. Porém, ressaltou que a cidade não está sem ações.

“Tenho fé e esperança que vamos vencer esta guerra, pois estamos unidos para combater ao aedes e à dengue”, observou.
Paganini advertiu ainda que as medidas de controle do mosquito transmissor estão sendo tomadas desde julho do ano passado, incrementando-as a partir do final de 2014, quando a epidemia foi constatada.

São mais de 200 pessoas trabalhando diretamente no extermínio de criadouros na rua, em conjunto com a limpeza pública, corte de matagais e operação pente fino nas residências, indústrias e comércio, além dos mutirões já mencionados.

A ‘sala de monitoramento da dengue’ foi instalada na Vigilância Epidemiológica para acompanhar caso a caso a doença em todos os bairros.

Um decreto municipal estabeleceu 12 ações que orientam os trabalhos, como o de permitir a entrada nos imóveis sem o consentimento dos proprietários e a aplicação de multas.  

O prefeito ainda lembrou que informações e alertas à população sempre foram disponibilizadas à população a se precaver – seja pela imprensa, o jornal oficial do município e os canais eletrônicos da prefeitura.

“Eu próprio tenho ido às igrejas de todos os credos, sindicatos, associações de bairros e ainda me reunido com lideranças comunitárias para solicita empenho no combate aos focos”, afirmou.

Paganini destacou que a guerra contra o mosquito transmissor não foi vencida, apesar de os números de casos confirmados estarem em franco declínio. Por isso, solicitou para que não abaixem a guarda e deu um recado: que deixem para depois a procura por atendimento em saúde em caso de sintomas.

“Estamos preparados para atender a todos que apresentem sintomas, temos medicamentos disponíveis e equipes em todas a UBS’s e no pronto atendimento do Hospital Municipal”, citou em relação aos quatro médicos destacados para atender quem apresenta o quadro clássico da doença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *