HERANÇA MALDITA DESDE QUE FOI CONSTRUÍDO, TEATRO TUPEC VAI PASSAR POR REFORMA

Criticado por 11 entre 10 artistas que vêm ao Guaçu para apresentar espetáculos, a Secretaria de Cultura decidiu suspender, por pelo menos 60 dias, todas as atividades do Teatro Tupec do Centro Cultural.

A casa artística sempre teve uma das piores estruturas da região – desde a sua construção – para receber peças e eventos mais robustos.

A medida foi tomada por precaução, depois que foi constatado que o forro se deteriorou devido a infiltrações na cobertura. Sobrou para a Secretaria de Obras e Viação.

Segundo o secretário Salvador Franceli Neto, os relatórios são preocupantes e por isso uma avaliação será minuciosa para definir que reparos precisam ser feitos.

O problema foi averiguado e confirmado esta semana por duas empresas especializadas, a AB Motion Manutenção Cenotécnica e a Art Solda Mundial, cujos relatórios apontam riscos de placas do forro se desprenderem a qualquer momento.

O secretário de cultura, Luiz Carlos Ferreira, explicou que, ao assumir a pasta no ano passado, foi informado que o teatro recebeu manutenção em 2012, mas agora soube que fazia cinco anos que a manutenção periódica não era realizado.

Mas vale lembrar que o teatro nasceu com projeto equivocado no tempo em que o próprio Ferreira teria feito parte do TUPEC, passou assim na gestão de Dr. Paulinho e continuou no mesmo jeito no primeiro ano a atual gestão cultural, isto é, em que o próprio Luiz Carlos foi nomeado secretário.

Em outras palavras: trocou seis por meia dúzia.

Salvador Franceli, da SOV, informou que além da deterioração do forro, há outros problemas ocasionados por desgastes e falta de manutenção a serem corrigidos, como o carpete que reveste o piso da plateia e está estragado em vários pontos.

Já a Secretaria de Cultura TENTARÁ (não disse que vai fazer de fato) realocar algumas das atividades que estavam agendadas para março e abril a outros espaços. 

São as alternativas o Centro de Convergência Cultural (que está capenga), na antiga estação ferroviária, o Teatro de Arena do Parque Linear do Córrego dos Macacos (cujo protagonista é o descaso) e até mesmo ginásios de esportes da Secretaria de Esportes e Turismo e clubes sociais.

Bira Mariano

Formado em Jornalismo pela Unaerp - Universidade de Ribeirão Preto, com módulos de pós-graduação em Jornalismo On Line pela Fundação Cásper Líbero. Trabalha na área desde 1995 e possui alguns sites, dentre eles o Jornalístico e o Animal e Companhia.

Seja o primeiro a comentar