GARFOU 300: MARCENEIRO É O REI DO BACO BACO

Ele diz que fisgou mais de 300 em seus longos e bem vividos 78 anos. O marceneiro José Cardoso Baptista não deixa margem de dúvidas a respeito de que é um verdadeiro Dom Juan.

Cardoso se assume o Rei do Baco-Baco. Foi em Sampa que o marceneiro teve mulheres de todas as cores, de várias idades, de muitos amores, casadas, carentes e até meretriz. Hoje está aposentado e há uma no na seca.

Dançarino oficial de um daqueles clubes de danças das antigas, Cardosão véio de guerra não deu chabu. Com cheiro de perfume e bom de lábia, o pé de valsa fez história como ‘camisa 10’ das noites e dias paulistanos.

O segredo para tanto mel ele diz: “Agir rápido e sem lenga-lenga; é ir direto para o baco-baco sem enrolação”.
Foi casado por mais de décadas com dona Ernestina, hoje com 87 anos, mas de quem se separou há mais de 10.

O Don Juan confidenciou que eram as mulheres quem o procurava, até mesmo no trampo. O expediente amoroso era tamanho que chegou fabricar uma cama retrátil para disfarçar quem chegasse de última hora, e assim via os lençóis desarrumados.

Hoje, ralando na marcenaria do sobrinho, onde fabrica gaiolas, fica a lembrar da época de ouro. 

Bira Mariano

Formado em Jornalismo pela Unaerp - Universidade de Ribeirão Preto, com módulos de pós-graduação em Jornalismo On Line pela Fundação Cásper Líbero. Trabalha na área desde 1995 e possui alguns sites, dentre eles o Jornalístico e o Animal e Companhia.

Seja o primeiro a comentar