FISCALIZAÇÃO: PIMENTA NO C DOS OUTROS É REFRESCO?

Duas perguntas cada vez mais pertinentes são estas: quem na Secretaria de Planejamento de Desenvolvimento Urbano da Prefeitura, mais especificamente no setor de alvarás, concede licença para que bares fuleiros operem normalmente na cidade? E por que não são criteriosos para apurar que tipo de estabelecimento opera com a alcunha de bar?

As respostas por parte de quem deveria se posicionar demoram tanto quanto a fiscalização prática para coibir os excessos.

Reclamações de moradores infernizados por comércios que só vendem pinga, quando não servem de biqueiras, são deixadas na gaveta.

É preciso reclamar formalmente, mas muitos tem receio de retaliações. E fica tudo por isso mesmo.

Então, qual a razão de a SPDU (setor de alvarás) liberar botecos que atraem para perto das residências bêbados, prostituição e usuários de drogas?

Por que esta leniência tão nefasta sem uma análise criteriosa de quem vai comandar o estabelecimento comercial?

Guarda Municipal e a Polícia Militar precisam por inúmeras vezes se deslocarem para aplacar recintos que se transformaram em zona total.

Esta é mais uma face nefasta da falta de cuidado da Divisão de Alvarás, que sequer lembra por zelar pela tranquilidade das pessoas, pois uma viatura que se desloca para acalmar o barulho dos sem noção é uma viatura a menos no combate ao crime mais pesado.

E o que a fiscalização da prefeitura diz sobre isso? “que não existem bairros 100% residenciais no Guaçu”.

Bravo, linda resposta.

Mas o gozado da história é que em frente das casas dos senhores fiscais não há botecos com bêbados dando trabalho – e nem se transformando em epicentro das drogas.

Tão pouco os fiscais ficam preocupados ao ter à soleira da porta de suas residências pessoas cujas índoles os boletins de ocorrência transformam em poesia às avessas.

Bairros como a Vila São Carlos, dentre muitos outros, estão apinhados de botecos cujo único comércio é a venda pinga, cachaça, e fichas para partidas de sinuca com gritaria..dentre outras coisas ilícitas.

Na esteira de tudo isso, surge uma fauna coletiva que busca antes de mais nada importunar e agredir, transformando em refém quem só quer viver em paz: os moradores, para quem a fiscalização deu uma banana.

Assim sendo, cabe outra pergunta…SPDU (setor de alvarás): PIMENTA NO C DOS OUTROS É REFRESCO?    

 

OBS: a foto é da internet, mas poderia ser do Guaçu tranquilamente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *