BATE E REBATE – LITLE NELSON PROMETE DAR TRABALHO

Litle Nelson foi esquecido. Tratado com pão de ló até o final de 2012, com livre acesso em alguns gabinetes da Câmara Municipal, tido como ‘o garganta profunda’ da saúde, agora vive no ostracismo, cercado pela solidão, como uma laranja que serviu bom suco e hoje é só bagaço.  Segundo rumores e boatos, até mesmo quem lhe estendia tapete vermelho, no passado, hoje não o quer por perto. Como é injusta a política contra quem ajudou a terceiros chegar ao poder. 

DOCE – no entanto, em mãos de quituteira das boas, até mesmo bagaço de laranja vira doce dos bons. Talvez seja isso que, aquele que se diz já prefeito (leia abaixo), queira se aproveitar de Litle Nelson, que torna a fazer o que fazia de melhor: informar. Não é por menos que coisas da saúde, e outras cabeludas poderão vir, pipocam aqui e acolá.

LAVAPÉS – formiga lava-pés é pequena, mas vai picando sem parar. Quando pica, dói pra dedel. Se deixar, a formiguinha deste tamanico assim faz o pé vermelho e inchado, incapacitando-o para andar léguas distantes como dantes. Moral da história: Litle Nelson é do tipo forminguinha lava-pés.

COPA – o Samae dá um espanto no pessimismo e decora sua fachada com as bandeiras do Brasil. O Mundial está aí, a não ser com exceção da mídia privada do país, que, por odiar o Brasil de tal maneira, por causa de eleições, põe a nossa terra na lata do lixo

GRIPE A/H3 – relatório da Vigilância Epidemiológica de Mogi Guaçu emitido nesta quarta-feira, dia 4, registra caso positivo de gripe causada pelo vírus A/H3, um dos subtipos do vírus Influenza do tipo A. A paciente tem 76 anos e desde 18 de maio está internada na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital São Francisco com vários problemas de saúde. A paciente não tomou a vacina contra Influenza e suas variantes na campanha nacional, iniciada em 22 de abril e encerrada em 30 de maio.

TÁ QUERENDO – o ex-prefeito Paulinho deve ser candidato a deputado. É o que estaria dizendo a vários interlocutores.


ÉGUA PARAGUAIA?

NEM CHEGOU A DEPUTADO, MAS SE IMAGINA PREFEITO

Não me lembro em que ano foi que o francês Alain Prost recebeu de mão beijada a vitória no Grande Prêmio de Mônaco quando, justamente, o piloto Ayrton Senna, ainda desconhecido, iria ultrapassá-lo em meio à chuva torrencial.

Prost comemorou a puxada de sardinha e, naquela época, também a galhardia de bater um papo com a nobreza rica do principado, paraíso de quem odeia pagar impostos.

Pela vitória literalmente pela metade, Prost recebeu metade da pontuação, ou seja: 5,5 pontos de um total de 10.

Meses depois, na última corrida da temporada, Prost amargou o vice-campeonato de pilotos, perdendo para Niki Lauda por óbvio meio ponto.

Caso tivesse ficado em segundo lugar, naquele fatídico GP de Mônaco, somaria seis pontos e abocanharia o caneco.

A história pode ilustrar bem as coisas na política, especialmente no Guaçu, quando a maior parte dos candidatos disputa as eleições para deputado com mira no pleito municipal.

Nada errado com o trampolim politiqueiro. É uma forma usual de manter-se em evidência. A disputa pelo poder tem destas coisas.

Contudo, Tancredo Neves esclarece que a política é como nuvens. Muda constantemente.

Isto é válido porque, aqui em nossas plagas, há quem não chegou sequer a deputado, mas já se imagina prefeito.

Pode virar cavalo paraguaio. Ou Alain Prost. Trés chic!

Bira Mariano

Formado em Jornalismo pela Unaerp - Universidade de Ribeirão Preto, com módulos de pós-graduação em Jornalismo On Line pela Fundação Cásper Líbero. Trabalha na área desde 1995 e possui alguns sites, dentre eles o Jornalístico e o Animal e Companhia.

Seja o primeiro a comentar