“AVIÃO DE CAMPOS FOI SABOTADO”, DIZ VIDENTE DE AGUAS DE LINDOIA

O vidente Jucelino Nóbrega da Luz, de Águas de Lindóia, antecipou a morte do presidenciável Eduardo Campos (PSB), ocorrida no último dia 13 de agosto, com nove anos de antecedência.

Ele previu a tragédia que comoveu o país em um sonho premonitório em 2005. Desde então, alertou o político pernambucano em cartas sucessivas enviadas nos meses de junho e setembro de 2005, e ainda outra em 2007.

As correspondências previam o acidente exatamente nas circunstâncias em que aconteceram na cidade de Santos, tacitamente citada nas missivas, com uma aeronave embicando no chão do bairro do Boqueirão, em situação considerada nebulosa que o premonitor crava como sabotagem.

“Foram colocados espécies de grampos nas turbinas que fizeram os equipamentos perderem força e deu no que deu”, declarou premonitor, que recebeu a reportagem da JG na última quinta-feira em sua casa, no bairro do Barreiro.

Jucelino comentou que endereçou as cartas a Campos quando ele era tão só mais integrante do governo Jarbas Vasconcelos, então governador de Pernambuco.

Um assessor do presidenciável retornou uma resposta tipicamente protocolar somente em 2007, informando que o staff iria tomar todas as providências necessárias para garantir a segurança do político, que sequer almejava ser candidato a presidente àquela época. “Pelo visto, não levaram a sério o conteúdo das cartas”, frisou.

As cartas foram registradas em cartório para garantir a idoneidade do seu conteúdo, ou seja, não se tratavam de fraudes.

REVELAÇÕES

Desde 1969, quando passou a ter sonhos premonitórios, foram escritas mais de 90 mil missivas com revelações bombásticas de deixar todo mundo de cabelos em pé. (veja mais nesta página)

Jucelino explicou que tem um sistema único de previsões. Sai em desdobramento espiritual e vai até à cena dos acontecimentos e os assiste como espectador privilegiado. Ele em nada se parece com videntes em atitudes místicas. É advogado e consultor de uma multinacional.

“Vou para dentro dos acontecimentos e quando os vejo, detalhadamente, eu acordo repentinamente”, destaca. “Por isso que a queda do avião de Campos não foi mero acidente, mas uma sabotagem”, revelou.

Se dizendo apartidário e contrário à política, o premonitor – que também é ambientalista – acredita que a morte de Eduardo Campos foi um típico caso de conspiração contra um político que os adversários (não necessariamente os demais candidatos a presidente) o consideravam como inimigo.

“É que o ele poderia ser eleito em 2014”, finalizou Jucelino, que possui uma pagina na internet com mais de 12 milhões de acessos, e concedeu entrevistas para diversos programas de televisão, como o de Sônia Abrão, na última terça-feira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *