AMOR E ÓDIO: COMEÇOU O HORÁRIO DE VERÃO

O horário de verão começou neste domingo, 16 de outubro, quando os relógios devem ser adiantados em uma hora nas Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste a partir da meia noite. O horário vai valer até o dia 19 de fevereiro de 2017. Amado e odiado por milhões, o horário de verão, enfim, não é uma unanimidade. Há adeptos que rasgam elogios pelo avançar do relógio, contudo, por outro lado, há uma legião que o esconjura com todas as suas forças.

Assim pensa a escriturária Rosilaine Vaz dos Santos, que simplesmente odeia o novo horário e todos os senões que ele provoca no seu organismo e na sua rotina do dia a dia, em especial na primeira semana de vigência.

Rosilaine critica principalmente as dificuldades para se adaptar às mudanças. Ela reclama de sonolência e de certa irritação que vai se escoando ao longo dos dias. “Além disso, no começo fico rolando na cama à espera do sono chegar, o que acontece só depois da uma hora da manhã. Para quem acorda às cinco e meia dá para imaginar como vai ficar o corpo quando acordar”, contou.

Mas, há quem ama de paixão o novo horário e busca conciliá-lo com o ritmo de trabalho. É o caso da comerciante Leni Castedo, dona de uma floricultura no centro do Guaçu. Ela garante que os dias mais compridos geram um lucro extra ao seu empreendimento.
“O fato de o dia ainda estar claro possibilita que mais pessoas venham à floricultura”, relata a simpática mulher, que não se esqueceu de mencionar a economia no bolso. “O valor não é significativa, porém é considerável”, confirma.

Já o funcionário público Camilo Bueno só vê vantagens no horário de verão, e tem até mesmo uma teoria bastante curiosa sobre quem não vê com bons olhos as mudanças no horário. “Quem briga com o horário na realidade acaba tendo uma adaptação mais difícil na rotina. Olha, não tem choro e nem vela: tem que aceitar e pronto”, comenta.

Segundo Bueno, o novo horário beneficia a vida social e estimula mais e mais pessoas a se movimentarem e praticarem exercícios. “No final das contas o horário de verão é mais benéfico que desvantajoso”, ressalta.

Vale a lembrança de que apesar de parecer uma medida dos tempos atuais, o horário de verão existe desde 1931 e tem por objetivo proporcionar uma economia de energia para o País como um todo, especialmente no horário de pico, entre as 18h e 21h, justamente pelo aproveitamento maior da chamada luminosidade natural proporcionada pelo sol. O governo estima uma economia de R$ 147 milhões com a medida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *