VERÊS PODEM APROVAR MÚSICA AO VIVO APÓS MEIA NOITE E INFERNIZAR VIDA DE MORADORES

Os vereadores de Mogi Guaçu avaliam aprovar uma ‘alternativa’ que agradará em cheio os donos de bares, lanchonetes e restaurantes, justamente para que possam estender o horário de música ao vivo aos finais de semana e feriados na madrugada adentro.

Atualmente, a barulheira é permitida até a meia-noite, mas não são raros os empresários que fazem de gato e sapato da determinação; deitando e rolando com o sono dos outros por falta absoluta de fiscalização dos órgãos competentes.

A medida, claro, já encontra resistência por parte muitos internautas e integrantes de redes sociais, que veem na intenção dos distintos verês o fim do sossego em conjunto com o começo da bagunça, das brigas, da prostituição, do uso de drogas e de muuuuiiiitoooo barulho.

As manifestações no Face já revelam indignação. Os participantes mais cientes das leis cobram medidas que impeçam que o som se espraie pelos ares e invada as residências com músicas que são uma verdadeira porcaria.

“Até onde eu sei, os estabelecimentos estão obrigados a colocarem dispositivos que os isolem acusticamente, mas quem faz isso de verdade?”, escreveu uma participante da rede social que acha que tudo vai ficar o dito pelo não dito. “Eles, os vereadores, se aprovarem, vão colocar um monte de determinação disso e daquilo. Palavras mortas porque a fiscalização não existe”, reclamou.

Há quem já esteja cobrando a participação dos verês nas reuniões do Conseg, o Conselho de Segurança, porque, até agora, nenhum parlamentar compareceu às reuniões para ouvir o que pensa a população sobre o assunto.

“Eles estão dissociados do povo. Estão se esquecendo dos barracos que aconteciam na 9 de Abril, anos atrás, quando era permitido o Deus nos acuda a noite inteira. Já teve tiro, rachas, brigas e muita loucura embalada pelo barulho de bares queiram lucrar com o som ao vivo. Barulheira chama mais barulheira”, assinalou um outro cidadão.

OPINIÃO DO JG

Por enquanto, a dita alternativa para ajudar os bares, restaurantes e lanchonetes é apenas uma ideia na cabeça. Mas, se a população ficar no quieto, o silêncio noturno será apenas um sonho. Ou pesadelo, como queiram.

Bira Mariano

Formado em Jornalismo pela Unaerp - Universidade de Ribeirão Preto, com módulos de pós-graduação em Jornalismo On Line pela Fundação Cásper Líbero. Trabalha na área desde 1995 e possui alguns sites, dentre eles o Jornalístico e o Animal e Companhia.

2 Comentários

  • Responder junho 1, 2017

    RICARDO

    COMO VOCÊ ESCREVE MAL…

  • Responder maio 17, 2017

    cleofas viana

    Para o autor, pimenta no (sic….) dos outros é refresco

Deixe um comentário